quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Homens

Um grupo de amigos, todos uniformizados de "jovens executivos", estava sentado num café de um dos bairros mais elegantes e badalados da cidade. Olhavam para todos os lados, talvez à procura de mais uma presa, rindo e conversando relativamente alto, a ponto de outros lhes ouvirem. Eu, que estava na mesa ao lado, não pude deixar de esta conversa, já que fiquei ali até terminar meu lanche.
- Sabes daquela baixinha de olho azul, aquela gostosinha, que eu conheci estes dias? Lembras?
- Ah, tá, sei. Comeu ela? - disse ele entre dentes.
Ui, que nojo. Me embrulhou o estômago.
- Ela me ligou convidando:"cara, vamos fazer alguma?"
- Comeu ela?
Quase regojitei o salgado que eu estava comendo.
- Eu fiquei meio assim, tipo o que vamos fazer, aí ela me sugeriu um bar, porque a casa dela estava uma bagunça. Eu disse pra "mina", "e eu vou lá reparar na tua bagunça"? "Tá, vem que eu vou comprar umas "cevas" pra nós" - concordou a moça.
- Cara, mas é aí? Comeu ela?
- Calma, não sabes o que aconteceu. Tinha tomado "umas" em casa. Já estava até meio "ajojado", bah, não vou mais, pensei. Mas aí fiquei pensando, a "mina" sozinha no apartamento... é hoje que ela vai pro "abate"! E fui, mas lá pelas tantas, me perdi no meio do caminho, acabei parando num pedágio"
E eu ali na mesa do lado, só escutando e pensando cá com os meus botões, onde é que a criatura foi se meter, deveria estar desesperado mesmo...
E o rapaz continuou o seu relato, enquanto os outros atentamente escutavam, na expectativa, torcendo pelo "grand finale".
- Expliquei pro carinha do pedágio a minha situação, que estava indo encontrar uma "mina", me perdi e tal, nem sabia mais como voltar. Ele disse "meu, só faz o retorno". Mas aí sabe de uma coisa, liguei pra guria e disse que não iria mais, que na real, já estava meio cansado hoje e que ficava para uma próxima vez.
- cara, então tu não comeu ela? - disseram eles, quase que em coro, desapontados.
Homens... por mais desprezíveis, ainda nos sujeitamos a eles. Ruim sem eles, pior sem eles.
Homens... serão mesmo uma espécie em evolução? Ou melhor, em extinção? Porque além de estar faltando uma boa remessa no mercado, achar um que preste, amigos, é como ganhar na loteria! Epa, este é meu, tira o olho, peguei primeiro!
Mas cá entre nós, entre ficar sozinha a ter que aguentar sujeitinhos como aqueles acima citados, sou muito mais de ficar é comigo mesma!
Homens, quanto mais os conheço, mais gosto dos animais!

3 comentários:

  1. heheheh!
    vc tá muito revoltadinha!hahahaha!

    mas me diz...ele comeu ela?

    ResponderExcluir
  2. Não, Matheus!!! Se tu leres, "again" verás que ele de certo achou "muita mão"... hehehehehe!

    ResponderExcluir
  3. Pois é uma estranha teatralidade: homens pensando em ser agir como homens socialmente aceitos e engajados em uma luta "varonil" (a rima mais adequada não fica bela neste comentário). Parecem as mulheres desautoridades de outras barbaridades sentimentais? Quando os homens fritam sabe-se o quanto é inválido perecer com a boca seca. Ja com as mulheres a loucura é outra: é quando todo o esforço de sinalizar tais reações afetivas é invalidado pela pretensa voz da sensibilidade faminina. Não é claro o quanto todo o jeito afetivo é agradável a uma grande parcela da popilação, mas esse pretenso jogo de sedução deveria continuar restrito à uma semiótioca ritualizada, como vislumbramos na dança dos flamingos para o acasalamento?

    ResponderExcluir