terça-feira, 17 de março de 2009

O Samba da Bênção

Quando planejei minha ida ao Rio de Janeiro, eu fiz meu roteiro incluindo todos os pontos turísticos que se possa imaginar. Eu não esqueci de nenhum, apesar de achar que talvez pelo pouco tempo e dinheiro, talvez não fosse ver metade das coisas que tinha marcado.
Minha viagem estava marcada para o Carnaval e eu não iria ao sambódromo, já estava decidida que aquele dinheiro eu não iria gastar e que durante o tempo no qual minhas amigas estivesse na Sapucaí eu acharia outra ocupação para fazer.
Ninguém na excursão podia conceber que eu não iria no sambódromo e quando eu disse que eu não gostava de Carnaval e que estava indo ao Rio só para conhecer, sério, quase fui linchada! Passei de antipática, metida e mimada. Ganhei até o apelido mais tarde de "enjoadinha".
Mas chegando à cidade maravilhosa, senti algo diferente. Algo que nunca senti em outros lugares. Uma sensação de bem estar, como se o Cristo estivesse de braços abertos pra me recepcionar... Aquele lugar era rodeado de natureza, tudo era fascinante, lindo e apaixonante. Eu mal tinha colocado os pés em terras cariocas e disse "eu moraria aqui!"
E respirando aquele ar, sentindo aquele clima diferente, ouvindo aquele sotaque diferente, vendo o que só os meus olhos podiam ver que eu tomei uma decisão: vou ao sambódromo!
Mas como pra mim as coisas nunca são fáceis deixei pra comprar o ingresso de última hora. Mas deu tudo certo consegui até levar meu carioca que também decidiu nos 15 minutos do segundo tempo,e olha que ele foi só por minha causa!
E lá eu vi aquilo que eu descrevo como o maior show da terra! E eu que não ia no sambódromo... lá foi o lugar que mais me emocionou, foi indescritível! Nunca vou esquecer do som da bateria... os fogos de artifício, os carros alegóricos, o Renato Sorriso - a foto que a gente tirou, eu quase chorei - a velha guarda, o Neguinho da Beija-Flor, Martinho da Vila... meu Deus! Como eu gritei, eu quase me acabei na Sapucaí! Foi aí que eu prometi não voltar mais uma, mas muitas vezes ao Rio de Janeiro. E no Carnaval, só para ver o maior espetáculo que os meus olhos já experienciaram. Eu a pessoa mais feliz da avenida. Não havia quem estivesse se sentindo mais plena que eu. Me senti curada de todas as dores, as mágoas, enfim ali aconteceu a catarse.
Eu fui abençoada por Orfeu do Carnaval. Este foi o samba da bênção.

domingo, 15 de março de 2009

A Melhor Companhia

Como é bom estar só. É um prazer inexplicável que eu descobri faz pouco tempo. Aliás descobri recentemente, como é gostoso aproveitar minha própria companhia.
Tem coisas na vida que a gente faz quando está só, como por exemplo, ler um livro. Não tem programa melhor pra mim do que ficar no meu quarto, com o ventilador ligado, deitada na minha cama, lendo um bom livro. Leitora voraz que sou, chego a ler aproximadamente uns oitenta livros por ano. Para mim não tem programa, que eu troque por uma boa leitura.
Outra coisa que eu tenho feito sozinha e me dá enorme prazer é ir ao cinema. Para mim, não há sensação melhor do que sentar na poltrona do cinema com a minha pipoca e esquecer que tem um mundo lá fora. Ninguém falando comigo, só eu e a tela do cinema interagindo.
Por mais que eu ame estar em boa companhia de amigos ou do meu bem querer, eu sou alguém que preza pela liberdade e pelo seu espaço. Eu sou muito caseira. Eu gosto de ficar na minha, de me recolher, de hibernar, de ficar no meu lugar. Detesto aglomerações e lugares fechados com muita gente gritando me dão até pânico, pode acreditar!
Não é sempre assim, mas a minha natureza é tranquila e caseira. Há quem diga até preguiçosa.
E aprendi a desfrutar o prazer de estar só. De fazer as coisas sozinhas e é tão bom. Descobri que tem momentos que são só meus, que só os meus olhos podem enxergar e as coisas que eu vivi são só minhas. Ninguém poderá tirá-las e nem vivenciá-las por mim. Só eu. Pois elas pertencem apenas a mim.
Eu nunca me senti tão completa quando estive no Cristo Redentor, contemplando a sua figura, agradecendo, fazendo planos, tirando eu mesma as minhas fotos, que nem no Pão de Açúcar, onde eu pensei: "Nunca estive em tão boa e própria companhia!".
A minha despedida da cidade maravilhosa foi um passeio à sós, comigo mesma pelo calçadão de Copacabana. "Felizes são os que caminham todos os dias aqui." E quem não seria?

A vida é assim. Nascemos e morremos sozinhos. Cabe a nós somente, aproveitar os momentos bons que a nossa própria companhia pode nos proporcionar.

quinta-feira, 12 de março de 2009

Desventuras Virtuais

Estes dias me "caiu os butiás do bolso", como diz o ditado popular, ao ouvir uma amiga me contar suas desventuras amorosas via internet. Eu não sabia se ria ou ajudava a pobre bicha a xingar o bofe.

Bom a história é mais ou menos assim: Um dia ela conheceu um rapaz que veio fazer um curso de aperfeiçoamento lá de Portugal. Este passou um curto espaço de tempo aqui, mas o suficiente para minha amiga digamos assim, conhecer melhor a língua portuguesa. Mas segundo me confidenciou minha amiga, o rapaz não era muito chegado a sexo e eles só tiveram apenas uma relação neste tempo em que estiveram juntos. E o que eles faziam, se não era... Bem, não me perguntem, de certo dormiam. Vou lá saber de detalhes?

Mas o que me deixou pasma, foi esta, escutem só. Minha amiga mantém contato com o gajo e ele sempre respeitoso, mas estes dias puxou papo com ela e começou uma conversa mais ou menos assim:

- Tens webcam?
- Não? Por quê? - estranhou minha amiga.
- Eu me lembrei de nós aquela vez...
- Ah é? E aí?
- E me deu o maior tesão!
A minha amiga ficou furiosa e respondeu ao moço que havia escrito como nick "descendo as ladeiras prateadas de Coimbra".
- Meu querido, você deveria ter aproveitado deste corpinho quando estava aqui e agora se não importa, estou bem ocupada!
E o português ainda insistiu:
- Então quer dizer que eu vou ter tomar um banho frio ou...
Ela boa taurina, assim como eu, não deixou por menos!
- Vá tocar punheta além mar e vê se não me amole, seu português chato!

Essa foi muito boa! E bloqueou o moço, para nunca mais correr o risco de ser importunada.
Citando minha querida amiga: "Tem gente que fica encolhendo a mixaria e depois vem querer fazer sexo pela webcam, ah dá um tempo!"

segunda-feira, 9 de março de 2009

Feliz Dia Internacional da Mulher

Gente, eu estou encantada! Estava eu dormindo ontem no dia internacional da mulher, quando fui surpreendida pelo toque insistente do interfone. Eu nem me dei ao luxo de atender! A minha irmã caçula, coitada é que teve que fazer o trabalho duro. Eu estava sonhando que eu tinha um casamento para ir e não tinha roupa para colocar... estava tão agoniada!
Com os olhos semi-cerrados, eu enxergo a minha irmã caçula adentrar o quarto com um arranjo de flores, cantando "parabéns pra você". Eu perguntei, meio sonolenta para quem era, pensando que ela estava de brincadeira comigo, já que no dia anterior a minha outra irmã fazia anos. Ela respondeu que era para mim.
Eu pulei da cama. Quase não acreditei quando li o cartão que dizia:
"Feliz dia internacional da mulher. F."
Não cabia dentro de mim de tanta felicidade! F., lá de longe, do Rio de Janeiro, fez aquela gentileza para mim...
Mandei uma mensagem agradecendo e logo F. me ligou dizendo, com aquele sotaque característico dele, que naquele momento, eu era a mulher mais importante na vida dele e que ele queria estar o mais breve comigo.
Tem jeito melhor de sentir amada?
Feliz dia internacional da mulher para todas nós!

segunda-feira, 2 de março de 2009

Canção pra Declarar Minha Saudade

Tenho saudade da brisa do mar
Do beijo salgado,
Do beijo molhado,
No Pão de Açucar,
Em Copacabana
Ou no Mirante do Leblon

Tenho saudade da areia da praia,
De São Cristovão,
De Bonsucesso,
Do teu sotaque chiado,
Me pedindo um abraço

Tenho saudade do Morro da Urca,
Do Cristo Redentor,
Da Beija-Flor na avenida
E do Calçadão

Rio de Janeiro do meu coração...

Esta canção é pra declarar minha saudade,
Para quando você me ouvir cantar você saiba que esta dor,
Que você deixou no meu peito,
Está difícil de curar

Meu choro é em forma desta canção que você vai ouvir
E vai
Lembrar de mim