terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Presentes criativos a evitar para a namorada

Com a época de Natal chegando, a procura por presentes criativos para oferecer é mais forte do que nunca. Apesar de ser importante pensar no presente certo, é também muito importante pensar em quais os presentes de que se deve manter afastado.
Nesse sentido, aqui fica uma lista dos presentes que não deverão fazer parte da sua lista para este Natal. Nunca ofereça presentes - por mais que lhe pareçam ser presentes criativos - que façam lembrar limpezas, cozinha, ou qualquer outra tarefa doméstica, mesmo que a sua namorada esteja muito necessitada, não é nada romântico e ninguém gosta de receber um presente desse gênero na noite de Natal.
Evite procurar presentes em quiosques ou em lojinhas de preços únicos. Normalmente só vendem bugiganga e normalmente as mulheres tem um faro infalível para detectar presentes comprados “em cima do laço”.
Da mesma forma, não compre presentes demasiado caros. Para além de ficar com um rombo considerável na sua carteira, poderá dar a ideia errada em relação ao que ele pode esperar no futuro. Não vai querer que ela fique com o namorado pelos seus presentes caros, não é?
Não lhe compre nada que já lhe tenha dito que também quer para si. Ele pode sempre ficar a pensar que lhe deu com a intenção de usar também e isso é de mau tom.
É absolutamente proibido oferecer alguma coisa que insinue que ela precisa mudar alguma coisa no seu corpo. Por isso um aparelho de ginástica está absolutamente fora de questão mesmo que ele tenha dito que queria muito um. Ela só diz isso para você dizer “Não precisas nada! Estás perfeita.
A mensagem é clara: procure bem por aquele presente criativo que ela goste, mas mais cuidado ainda para não comprar algo que ela deteste. Em caso de dúvida mais vale ir pelo seguro e comprar algo que tenha a certeza que ela vai adorar.

Presentes Criativos para o Namorado

Procurar por um presente criativo para namorado é uma das tarefas mais difíceis agora que o Natal se aproxima. A tendência natural das namoradas é tentar encontrar presentes diferentes, mesmo que isso signifique que se compre um presente que não temos a certeza que o namorado vá gostar.
Um presente criativo nem sempre se avalia por encontrar um presente que ele nunca tenha recebido. Se a pessoa em causa é um apaixonado por uma determinada área -livros, carros, esportes, etc - é provável que vá adorar receber um presente que pertença à sua paixão. Mas isso não significa que não se possa mesmo assim oferecer um presente criativo.
Dentro dos presentes que o namorado adora receber, podemos encontrar algo que confira uma certa originalidade. Um bom exemplo são os livros.
Um livro é um presente muito comum, e por isso uma namorada mais empenhada poderá não considerar esta como uma boa opção para um presente criativo para namorado, mas na verdade um livro pode ser um presente bem original. Poderá procurar uma edição especial de um livro que namorado goste muito, dar uma volta pelas lojas de livros usados ou antigos (sebos) e tentar encontrar uma 1ª edição de um livro do seu agrado ou ainda procurar por um livro que esteja a ser lançado por esta altura para oferecer namorado.
Se se tratarem de tipos de presentes que esta abordagem não seja possível, existe ainda uma outra solução para dar alguma criatividade a um presente banal. Que tal um clipe com uma seleção de fotos, estilo, "melhores momentos"ou um cd personalizado com suas músicas preferidas, daquelas que fazem parte da história de vocês? Pode acreditar que este presente criativo para o seu namorado vai deixá-lo muito contente!

Discutindo a Relação no Restaurante

Era um jovem casal. Entraram num restaurante de comida natureba. Parecia um casal normal, cada um com seu estilão alternativo, estilo "bicho-grilo". Escolheram uma mesa, serviram seus respectivos pratos e começaram a comer. Não havia muitas demonstrações de carinho entre aqueles jovens, um sentou na frente do outro, um baixou a cabeça e comeu enquanto o outro ensaiava um diálogo. Parecia mais um monólogo.

Era visível que o clima estava tenso entre os dois. A moça falava, falava e o rapaz monossilabicamente respondia, mais concentrado em sua refeição. A garota mal tocava no seu prato.

- Se tu começares assim, eu vou embora. - ameaçou a menina.

O moço, nem lhe deu as horas, continuou a refeição, como se nada havia lhe sido dito.

- Quer dizer que tu vais ter que ir lá casa dela? - indagou a menina.
- Sim, eu vou sair daqui e vou passar lá. - respondeu ele.
- O que é que tu vais fazer lá?
- Vou dar uma passada rápida, só pra conversarmos um pouco. É ali no Bom Fim.
- No Bom Fim? E tinha que ser logo no Bom Fim, no meu bairro. É perto da minha casa?
- Não.
- Ela mora na Barros Cassal então, ali onde eu morava?
- Já te falei que não.

A moça olhava para os lados, para os outros clientes, como se pedisse consolo ou até mesmo socorro. A sua comida estava toda no prato. O rapaz continuava a refeição, como se estivesse sozinho. O clima era de total desolação para a menina.

- Tu é que sabes, mas só te digo uma coisa, com certeza não faltará alguém para me ligar e dizer que eu sou uma mulher maravilhosa. E ninguém precisa me dizer isso porque é isso que eu sou!
- Não, tu não és.

Silêncio ensurdecedor.

- Então quem sabe tu vais correndo procurar esta mulher. É, vai agora lá pra casa dela! Fica lá, ela sim deve ser maravilhosa! Só me diz uma coisa, eu a conheço? É uma das minhas amigas? Quem é?

E o moço, nada. Resmungou algo que só a menina ouviu.

- Pronto. Eu já sei. É ela! Só me responde! - esbravejou a garota.
- Eu conheço ela já faz um tempo. Olha, as coisas estão dando certo, mas não é nada definitivo... afinal de contas, não existe mais eu e você. Vamos ser realistas.
- É não estava mais rolando...
- Então...
- Eu não sei o que eu estou fazendo aqui. Sinceramente. E com uma pessoa que não me dá o menor valor. Tu não me mereces.

Foi só o tempo de eu ir ao banheiro, voltar e não encontrar mais aquele polêmico casal. Será que era um casal? Namorados, ex-namorados, "ficantes"ou amantes? Não sei e nem nunca saberei.

O final desta história eu não soube, talvez nem eles mesmos saibam.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Atividade Paranormal

Neste fim de semana eu fui ao cinema. Vi o tal "Atividade Paranormal". Estava com uma expectativa de ver um filme de suspense, pensei que ia ser um filme do tipo "I see dead people"... Ouvi comentários de que o filme era daqueles de levar uns "cagaços"... Bom, pensei, vamos ver o dito cujo!

O filme tratava de um casal que resolveu filmar as suas noites de sono, porque durante elas aconteciam fenômenos paranormais no qual eles buscavam ter mais informações. A sinopse prometia, no mínimo ser um filme de suspense.

Chegando no cinema, peguei uma sala lotada e tive que sentar bem na frente. O cinema estava cheio de adolescentes e emos, cada um falando mais bobagem do que o outro, dando risadinhas e fazendo de tudo para aparecer mais do que o filme, atitudes que não só incomodaram a mim, mas a outros expectadores. "- Cala a boca, baranga!" - gritou um dos incomodados.

O filme era chato, eu confesso que até cochilei numas partes. E só acordava quando ouvia um grito de suspense ou uma risada. Foi literalmente engraçado, algumas cenas eram de arrepiar sim, mas a maioria era de se mijar de rir. Não sei qual o fenômeno que aconteceu naquele cinema, mas as cenas de sonambulismo causavam gargalhadas e o riso era contagiante.

A cena final foi inacreditável, eu não vou contar, mas posso adiantar que foi um filmezinho fraco. E sinceramente, deixou muito a desejar. Mais inacreditável não foi só a minha reação, mas a reação coletiva. Todos saíram rindo do cinema, como se este tivesse sido um filme de comédia.

Da próxima vez, eu juro que acerto no filme!

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Leila Lopes

Fiquei muito triste com a morte da Leila Lopes. Eu, particularmente não ouvia falar dela desde os tempos que ela estrelou seus filmes pornôs. De uma hora para outra fiquei sabendo de forma súbita que a "professorinha Lu" havia morrido em instâncias misteriosas.

Uma amiga minha me perguntou o porquê do choque por sua morte. "Por acaso ela era tua parente?" -indagou-me minha amiga de forma irônica, como lhe é bem peculiar. Não é esta questão. Para falar a verdade eu nem era fã de Leila Lopes e pouco sabia sobre sua vida, apenas que ela era gaúcha de Esteio. A questão é que a morte sempre me choca. A morte é um assunto que me instiga e ao mesmo tempo me deprima.

Noticia-se que Leila teria se suicidado. Eu acho isto muito triste. O que teria levado uma mulher de 50 anos bonita e inteirona como ela se matar. Motivos ela poderia ter de sobra, mas a morte não justifica, nem acaba com eles. Se realmente a Leila o fez, ela fugiu, e deixou um problemão para os que ficaram. Imagina a dor das pessoas que a amavam, a culpa por não ter feito mais, por não ter estado mais presente e de repente tê-la tirado daquela maré de solidão e tristeza que ela só extravasou através de um ato que muitos consideram corajoso, o de tirar a própria vida. Eu diria que corajoso são aqueles que conseguem ficar, que por pior que a situação lhes pareçam, escolhem viver como uma opção.

Entre outras coisas que me deixaram tristes e um tão quanto revoltada, foi a falta de sensibilidade do ser humano. Como as pessoas são capazes de explorar a dor alheia de uma maneira tão insensível e inacreditável. Quando Leila esteve doente, sem saber a doença que lhe acometia, um suposto fã teria publicado um vídeo entrevistando uma Leila abatida, em um leito de hospital e lhe fazia perguntas do tipo, se era verdade que ela estava usando fraldas e se ela tinha medo de morrer. Olha, eu não teria a classe que ela teve, porque mesmo visivelmente sensibilizada, ela respondeu.

Também ouvi várias piadas de humor negro e sinceramente, me incomodou. Quem somos nós para julgarmos os outros. Ninguém tem teto de vidro.

Espero que onde Leila estiver, seu espírito finalmente descanse em paz.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Porque eu sei que é amor

Isso foi uma das coisas mais bonitas que eu já li.

Porque eu sei que é amor. Eu não peço nada em troca. Porque eu sei que é amor. Eu não peço nenhuma prova.
Mesmo que você não esteja aqui, o amor está aqui. Agora. Mesmo que você tenha que partir. O amor não há de ir, embora.
Eu sei que é pra sempre. Enquanto durar. E eu peço somente. O que eu puder dar.
Porque eu sei que é amor. Sei que cada palavra importa. Porque eu sei que é amor. Sei que só há uma resposta.
Mesmo sem porquê, eu te trago aqui. O amor está aqui. Comigo. Mesmo sem porquê, eu te levo assim. O amor está em mim. Mais vivo.