quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Leila Lopes

Fiquei muito triste com a morte da Leila Lopes. Eu, particularmente não ouvia falar dela desde os tempos que ela estrelou seus filmes pornôs. De uma hora para outra fiquei sabendo de forma súbita que a "professorinha Lu" havia morrido em instâncias misteriosas.

Uma amiga minha me perguntou o porquê do choque por sua morte. "Por acaso ela era tua parente?" -indagou-me minha amiga de forma irônica, como lhe é bem peculiar. Não é esta questão. Para falar a verdade eu nem era fã de Leila Lopes e pouco sabia sobre sua vida, apenas que ela era gaúcha de Esteio. A questão é que a morte sempre me choca. A morte é um assunto que me instiga e ao mesmo tempo me deprima.

Noticia-se que Leila teria se suicidado. Eu acho isto muito triste. O que teria levado uma mulher de 50 anos bonita e inteirona como ela se matar. Motivos ela poderia ter de sobra, mas a morte não justifica, nem acaba com eles. Se realmente a Leila o fez, ela fugiu, e deixou um problemão para os que ficaram. Imagina a dor das pessoas que a amavam, a culpa por não ter feito mais, por não ter estado mais presente e de repente tê-la tirado daquela maré de solidão e tristeza que ela só extravasou através de um ato que muitos consideram corajoso, o de tirar a própria vida. Eu diria que corajoso são aqueles que conseguem ficar, que por pior que a situação lhes pareçam, escolhem viver como uma opção.

Entre outras coisas que me deixaram tristes e um tão quanto revoltada, foi a falta de sensibilidade do ser humano. Como as pessoas são capazes de explorar a dor alheia de uma maneira tão insensível e inacreditável. Quando Leila esteve doente, sem saber a doença que lhe acometia, um suposto fã teria publicado um vídeo entrevistando uma Leila abatida, em um leito de hospital e lhe fazia perguntas do tipo, se era verdade que ela estava usando fraldas e se ela tinha medo de morrer. Olha, eu não teria a classe que ela teve, porque mesmo visivelmente sensibilizada, ela respondeu.

Também ouvi várias piadas de humor negro e sinceramente, me incomodou. Quem somos nós para julgarmos os outros. Ninguém tem teto de vidro.

Espero que onde Leila estiver, seu espírito finalmente descanse em paz.

Um comentário:

  1. Cibele voce é um ser humano e mais que isso um ser humano lindo, de alma linda e se encontra numa evolução tb linda. Sou prima-irmã da Leila, a amo muito, eramos companheiras inseparaveis e ela era uma pessoa formidável. Obrigada Cibele.
    Amo você e que bons fluídos te acompanhem nessa jornada.

    ResponderExcluir