quarta-feira, 31 de março de 2010

Como parei de fumar

Tanta coisa aconteceu! E tanto tempo faz que eu não apareço por aqui! Mas eu tenho tanta coisa pra contar que eu nem sei por onde começar.

Bom, a primeira e acho que a mais significante de todas as novidades é que eu parei de fumar! Graças a Deus faz quase três meses que eu não sei mais o que é fumar. Quem me conhece sabia a quanto tempo eu queria parar de fumar e depois de algumas tentativas frustradas eu simplesmente parei. Foi assim que tudo começou: Quando eu tinha 27 eu comecei a fumar, fumava a princípio só quando eu saía e depois fumar acabou virando um hábito. Péssimo hábito, é bom lembrar e que eu nunca me orgulhei dele. Eu fumava um monte! O meu carro era o meu lugar preferido de fumar. Eu entrava no carro e já tinha que acender um cigarro. Havia quem entrasse no meu carro e se assustasse com o monte de maços vazios, havia quem dissesse que o meu carro fedia, parecia que estavam numa festa, na noite, tamanho o "budum"! E por 5 anos eu fiquei neste péssimo hábito... o pior de tudo era quando o cigarro acabava e ficava naquela loucura de que precisava comprar. E tinha que ter o cigarro que eu fumava (Lucky Strike), não podia ser outro, mas também se não tivesse eu não ficaria sem porque eu tinha os meus substitutos: Malboro Lights, Free e na pior das hipóteses eu encarava um Carlton. Éca!

Mas há um tempo eu comecei a fazer tentativas de realmente parar, pois eu tinha medo de continuar nesta vida, melhor dizendo de não continuar vivendo... Eu tentei até tomar um remédio, mas aos poucos comecei a perder o gosto pelo cigarro. Havia épocas que eu me segurava e não fumava. Parece que desde que eu vendi o meu carro, fumar perdeu a graça. Parece bobagem dizer, mas eu associava o fumo com a direção. É claro que hoje e um dia tudo seria diferente.

Em Janeiro eu fumei o meu último cigarro. Fumei e não gostei. Aí não fumei mais. Botei um maço cheio de cigarros no lixo . Quer dizer, pedi pra minha irmã colocar. Tempo depois me deu vontade de fumar novamente e eu pedi pra ela me dar os cigarros de volta, mas ela disse:

-Só se tu quiseres ir lá rua, mexer no lixo e pegar.

Mas eu não peguei e continuei meu plano de tentar não fumar mais. Quando eu estava no Rio de Janeiro eu achava que ia ser difícil, mas tudo que eu fazia lá , não combinava com fumo. Eram caminhadas, subidas e descidas e eu precisava de fôlego. Foi aí que eu me dei conta de que o movimento do corpo me ajudava. E foi em Santa Catarina numa academia ao livre para pessoas da terceira idade que eu vi que fazer uma atividade física seria importante para levar meu plano adiante. Nesta época, era Carnaval, eu já não sentia aquela vontade de antes. Eu estava numa fase em que eu tomei consciência do meu corpo e da minha alimentação. Junto com o meu plano de largar o cigarro pra sempre eu comecei a fazer uma dieta. Mas não era uma daquelas minhas dietas loucas, eu comecei a me alimentar melhor, comer mais frutas e fibras, cereais, cortar um pouco o refri (eu também sou viciada por refrigerante), beber mais água. E o segredo pra não passar fome, foi fazer seis refeições no dia. E acreditem além de parar de fumar, eu perdi peso! Aí eu aliei tudo isso ao fato de que eu queria fazer atividade física. Então eu me matriculei em uma academia aqui pertinho de casa e desde então sou uma aluna assídua.

Fumar não tem mais nada a ver com a minha nova fase de agora. Além de não ter mais vontade, eu sinceramente, acho que não combina mais comigo. Desde que eu parei de fumar e comecei a fazer ginástica, eu notei que o meu fôlego é outro! Coisa que eu nunca conseguia fazer era correr. Eu corria no máximo dois minutos ou menos até. Hoje eu que era totalmente sedentária, já bati meu record, 20 minutos correndo. Eu sei que pra vocês pode ser muito pouco, mas eu comemoro estas pequenas vitórias.

E pra quem precisa de um incentivo, fica aqui o meu recado: Apague o cigarro e comece a se exercitar. Eu consegui, por que vocês não conseguiriam? É só querer. E eu lhes digo, parei e nunca mais vou fumar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário