sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Dia do Professor

Bom, vamos falar sobre o dia do professor que foi no semana passada, dia 15 de outubro. Vamos falar do dia desse profissional que é essencial para a formação de outros profissionais mas tão desvalorizado, tão desprestigiado nos dias atuais.

Várias coisas que eu diria, no mínimo, interessantes, aconteceram neste meu dia dos professores. A começar por um curso de formação que o município em que eu trabalho oferece. O curso é massante, as palestras em sua grande maioria não são aproveitadas, pois os professores que chamam tanto a atenção dos alunos pela sua conversa, não param de tagarelar. O ponto alto do curso é quando os vários professores do munícipio se encontram e aproveitam para "colocar o papo em dia". Outro momento de grande sucesso no curso é o "coffee-break". Meu Deus, aí esta parte é no mínimo bizarra, para não dizer outra coisa. Na hora de servir os educadores esquecem a educação e simplesmente atacam a comida. Eu fico com vergonha do que eu vou descrever. É gente enchendo copinhos de água até a borda de salgadinhos, ao invés de servir um salgadinho de cada vez. O que é isso? Parecem uns loucos de fome! Nem parecem que são detentores do conhecimento, que deveriam estar dando exemplo.

Há quem discorde do que eu vou dizer, pois é bem polêmico, mas por que será que a classe dos professores está tão desprestigiada? Será por que eles são uma das classes mais desunidas? Já cansei de ver colegas dizendo "Ah, mas comigo isso não acontece, não minha aula não é assim, comigo o fulaninho não faz isso..." ao invés de apoiar os colegas, de pegar junto. Será que é por que entre os professores há muita falta de ética? Eu não vejo médicos falando mal de seus colegas, como vejo meus colegas professores falando uns dos outros, criticando o trabalho alheio, ao invés de ajudar, de construir.

Tem coisas que me revoltam no ambiente escolar, como por exemplo a falta de respeito de alguns pais e até mesmo dos alunos, questionando o método de ensino, batendo boca, fazendo gracinha, ou seja desrespeitando os professores. Olha, eu nunca vi alguém fazendo algo parecido com advogados ou médicos.

Sem contar que o salário do professor é de dar dó! E há que diga ainda que professor tira férias demais! É férias de Julho e quase dois meses no veraneio, Janeiro e Fevereiro. Puxa, com o salário que ganhamos, com o estresse que sofremos, é mais do que justo e merecido, que nós professores tenhamos, pelo menos, essa recompensa.

Neste último dia dos professores, além ter de trabalhar, eu não ganhei nem um brindezinho. Nem um cartãozinho, nem um bombom, nem uma balinha, nada. Quando eu cheguei do curso, a minha irmã mais velha me cumprimentou e perguntou se eu tinha ganhado muitos presentes da Natura dos alunos. Não ganhei porra nenhuma! Bons tempos eram aqueles em que o professor ganhava uma maçã!

Mas nem tudo estava perdido. Quando eu já tinha perdido todas as esperanças, eis que surge uma luz no fim do túnel. Esta semana, na quarta feira do dia 20 de Outubro, a outra escola em que eu trabalho, em Alvorada, estava com uma linda mesa posta, cheia de guloseimas, com um clima alegre e super aconchegante. Eu que estava meio desanimada, vendo aquilo já me animei.
Para minha surpresa fizemos uma brincadeira muito divertida na qual deveríamos tirar um envelope de um saco e ao ver o nome do colega que estava no envelope, deveríamos falar características do colega. Para mim foi emocionante. Após descrevermos todos os colegas, abrimos nossos envelopes e encontramos duas fotos com imagens do grupo em momentos divertidos na escola.

É nesses momentos que eu tenho orgulho de ser professora, é nestas horas que penso que os professores fazem a diferença na educação. É em momentos bons como estes que eu acredito que a educação é a arma mais poderosa que a gente pode usar para mudar o mundo.

Professores, sejamos a diferença na educação.
Parabéns por todos aqueles, que, assim como eu, querem fazer a diferença.