sábado, 19 de fevereiro de 2011

Insensato Coração

Ontem fui almoçar na Lancheria do Parque, no tradicional bairro Bom Fim, na minha cidade, Porto Alegre e adivinhem quem eu encontrei por lá? O ator gaúcho e "global" Zé Victor Castiel. O Werner, de Insensato Coração.

Não me causou grande surpresa encontrá-lo na Lancheria do Parque já que eu sei que outros artistas gaúchos, como o cantor Nei Lisboa, também frequentam este lugar. Eu mesma já o vi lá.

Quem percebeu a presença do Zé Victor, foi um amigo meu que estava almoçando comigo. Quando eu o vi, achei o sorridente, simpático com os garçons, pensei, que talvez se eu fosse até até lá o cumprimentar, também seria igualmente simpático comigo. Mas confesso que estava com um pouco envergonhada.

Esta semana eu estive pensando que, eu, que já avistei alguns artistas globais e até mesmo tive coragem de ir até eles, cumprimentá-los e tirar uma foto, nestas minhas andanças, nunca tinha feito tal gesto com algum artista gaúcho, meu conterrâneo, da minha terra. Por que não exaltar um artista da minha terra, como um destes artistas que eu já encontrei no Rio de Janeiro?

Não pensem vocês que eu sou uma daquelas tietes, que não pode ver artista que já vai saindo correndo, pedir autógrafo, não! Eu não sou assim. Mas quem é que não gosta de ser reconhecido? Se eles não gostassem de ser figuras públicas, que não conseguem conviver com o carinho das pessoas, teriam escolhido qualquer outra profissão em que eles pudessem viver como pessoas anônimas, comuns.

O acordeonista Renato Borghetti
Estes dias eu estava no Bom Fim, tomando um sorvete e vi um cara de cabelos compridos, bombachas, boina e alpargatas, passeando pela rua e falei de brincadeira, Renato Borghetti! E não é que era o próprio? Na mesma hora, na minha cabeça já veio aquele som inconfundível da sua gaita. Renato Borghetti, para quem não sabe é um músico gaúcho que toca gaita, como só ele. Fiquei observando-o de longe, mas pensei que na próxima vez que visse algum artista gaúcho, gostaria de cumprimentá-lo, dizer algumas palavras legais, afinal, é tão bom ver nossos gaúchos dando certo!

Olha a Beija-Flor aí gente! Chora cavaco!

Pois ontem eu tive esta oportunidade com o Zé Victor Castiel. Para quê?

Eu estava bem insegura, mas para quem já bateu papo, como se fosse velha conhecida do Neguinho da Beija-Flor, no Aeroporto de Cumbica - aliás, o Neguinho é uma pessoa muito simples, simpatissíssimo, adorei conhecê-lo! - achei que ir dar um alô para o Zé Victor Castiel, seria fichinha!

Quando eu cheguei perto dele, ele me olhou de cima a baixo. Eu falei com ele, cumprimentei-lhe sobre seu trabalho e ele nem deu um sorriso. Na hora pensei, para que trabalha com humor - ele estrela há anos a famosa peça Homens de Perto - ele parece um tanto quanto mal humorado! Ele olha que eu não fui falar com ele, enquanto ele estava comendo, fui bem breve e bem educada. Ele não me deu um sorriso!

Eu me lembrei de uma vez, não faz muito tempo também, que eu fui almoçar num restaurante nordestino, lá em Santa Tereza, no Rio e me disseram que neste mesmo restaurante, quase em frente da minha mesa, estava o ator Lázaro Ramos. Lázaro Ramos interpreta o André Gurgel, de Insensato Coração e é colega de elenco do Zé Victor na novela. Diferentemente do meu conterrâneo, o ator Lázaro Ramos foi uma pessoa super agradável, me deu três beijinhos, conversou comigo numa boa, sem estrelismos. Disse que gostava muito de Porto Alegre e que tinha um carinho especial pelos gaúchos. Tirei até foto com ele. Ó pai, ó!
Ó pai, ó! Lázaro Ramos
 Lá no Rio, os cariocas gostam de andar assim bem à vontade, os atores passam por eles como pessoas normais - que são mesmo, nós é que os endeusamos - nas últimas vezes que estive lá, passei por alguns e se não tivessem me dito que tal pessoa era o fulano de tal, eu nem saberia quem era. Exemplos deles: Felipe Dilon, Angela Bismark e uma ator da novela Ti -ti-ti aque eu não sei o nome, mas acabei vendo onde ele morava. Para mim estas pessoas passaram despercebidas, eu não as reconheci, só sabia que eram quem eram porque me disseram.

Até a Isabelita dos Patins, eu já encontrei, na Banda de Ipanema!
 Mas nas primeiras vezes que reconheci um global, nas ruas do Rio de Janeiro, dei uma de tiete. Pedi para tirar foto, apesar de me dizerem que eu estava dando uma de "Paraíba", - o que eu achei extremamente preconceituoso e indelicado, se referir aos paraíbanos desta forma, como se os cariocas fossem as melhores pessoas do mundo! - que estava pagado mico. Nessas tirei foto com a Danni Carlos, que estava na praia do Arpoador, toda cheirosa e foi super simpática, me abraçou e tiramos uma foto bem legal. Outro colega de elenco de Insensato Coração do Zé Victor Castiel, que eu encontrei há alguns anos atrás foi aquele ator português, o Ricardo Pereira. Ele estava gravando um comercial no Mirante do Leblon e quando pedimos para tirar uma foto com ele, ele falou que só ia terminar o comercial e depois ia lá conversar com a gente e foi. Bem educado o rapaz.

´Depois de tudo isso que eu lhes contei, esperava um pouquinho mais do Zé Victor Castiel. Quando parabenizei o seu trabalho, ele resumiu-se a dizer apenas "ah, tá, ok". Uma vez eu estava lendo o blog do ator Pedro Paulo Rangel e lhe mandei um comentário, elogiando o seu trabalho e vocês nem sabem que surpresa eu tive ao receber um e-mail seu, "agradecendo minhas palavras carinhosas". De PP Rangel, como ele mesmo assinou! O pior de tudo foi quando eu estendi a mão para cumprimentar Zé Victor. Ele ficou parado olhando para a minha mão estendida, de certo acho que eu fosse pedir dinheiro para ele! Só depois de me deixar ali com a mão estendida, ele na sua impáfia, apertou minha mão. E não sei porque disse isso antes de me virar e ir embora:

- E meu nome é Cibele.

E ele ainda não entendeu e perguntou:

- Como?

- Cibele.

E fui embora, arrependida de ter ido falar com alguém tão blasê. Como se ele fosse lembrar do meu nome! Se por acaso esta postagem chegar aos olhos deles, foi a "Cibele" quem escreveu, tá?

Ao contar para uma amiga, ela ria e dizia:

- Só tu mesma, Cibele! Só tu tens "cara" para fazer estas coisas!

Eu tenho mesmo, se não, não teria mais esta história para lhes contar.
E quanto ao Zé Victor, que "Insensato Coração"!

Um comentário:

  1. A Isabelita dos Patins é uma das figuras mais importantes do carnaval carioca e infelizmente esse ano vai fazer o carnaval em Juiz de Fora por não propostas de trabalho... É uma lástima!

    ResponderExcluir