quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Alguém para contar a História

A postagem de hoje eu dedico a uma pessoa que neste dia merece toda a pompa e circunstância. Pois para ela hoje é um dia de comemoração, celebração e consagração. Hoje ela verá que todos seus seus esforços em aproximadamente 6 anos não foram em vão, pois esta pessoa tem garra e é guerreira. Para ela adversidades não significam obstáculos.


Todos homens morrem, mas, nem todos vivem... 

Para quem o conhece, saberão de quem estou falando, mas para aqueles que ainda não, sou capaz de profetizar que em nome da História, um dia seu nome será conhecido.

Fabio Aurélio Secco Carrion

Com ele eu aprendi muitas histórias, aprendi que o papel de um historiador não é apenas é mostrar a história a partir de seu ponto de vista. O papel fundamental do historiador é valorizar e organizar os fatos históricos, pois tais fato, não se destacam por si próprios e o historiador tem este poder de classificar um fato, seja ele grandioso ou pequeno, com o mesmo grau de importância o qual colocam em evidência a subjetividade e a parcialidade. E eu posso dizer que o Fabio faz lindamente.

Com ele aprendi não só histórias, mas muitas coisas que levarei para o resto da vida. Além de suas histórias, ele sempre tem conselhos bons  e uma palavra amiga para dar. Com ele não tem tempo ruim, com sua simpatia e bom humor, ele está sempre disposto a ajudar.

Quem diria um dia, seríamos tão amigos! Tudo começou através de uma foto que a minha irmã me mostrou. Ela estava apaixonada por ele e me perguntou o que havia achado do futuro namorado. Eu lhe respondi que não havia gostado da cara daquele cabeludo e que achava que ele só queria se aproveitar dela. Minha opinião mudou em relação a isto já que pouco tempo depois, no primeiro dia dos namorados que passaram juntos, ele presenteou minha irmã caçula, sua namorada, com um enorme ursinho de pelúcia. Um panda, que é um de seus animais preferidos.

Com o tempo, vendo o jeito que ele tratava minha irmã, vi que seu ar tímido não era arrogância e dei uma chance de também gostar do meu novo cunhado. E a partir de então viramos os melhores amigos. Não tem quem não goste do "Fabinhos" - como minha sobrinha Isabel, o apelidou - dos mais velhos até os mais novos. É só ele chegar e as crianças já estão em sua volta. Todos são fãs do Fabio!

Dizem que cunhado não é parente, e para mim o Fabio é muito mais que cunhado. É meu amigo, meu irmão. E hoje eu lhe dedico esta homenagem e o desejo de que de hoje em diante, este seja apenas o início de uma caminhada cheia de vitórias.

"Quando dois corações se amam de verdade": Grazi e Fabio

Um comentário:

  1. Mande um parabéns para a Grazi!
    Muitas alegrias nesse dia!
    Beijocas

    ResponderExcluir