domingo, 26 de fevereiro de 2012

Menstruação - Um período que eu gostaria de pular

Boa noite, hoje estou um tanto quanto irritada! Que ninguém atravesse na minha frente porque eu atropelo! O motivo da minha irritação é totalmente hormonal. Não é TPM, o motivo da minha irritação é menstruação mesmo.

Não sei se existe alguém no mundo que odeie tanto a menstruação quanto eu. Acredito que nenhuma mulher goste. Também pudera, menstruar além de incômodo, traz alguns transtornos. E a mudança de humor é um deles. Acho que só gosto de menstruar caso esteja preocupada como uma gravidez não desejada. Aí menstruar se tornar até um alívio!

Hoje em dia, graças aos absorventes internos e à pilula anticoncepcional, o período menstrual é menos incômodo. Mas nem sempre foi assim.

Eu tinha 12 anos a primeira vez que eu menstruei. Eu ainda era bem criançola, apesar de já ter um corpo bem feminino. Eu estava brincando de bonecas, quando resolvi ir ao banheiro e vi que havia uma mancha amarronzada na minha calcinha. Eu já imaginava o que era, apesar de não terem me falado sobre o assunto. Em casa nunca houve uma conversa do tipo "vamos falar sobre menstruação". Eu acho que graças à um ótimo habito que até hoje eu cultivo com orgulho - a leitura -que eu tomei ciência do assunto.

Lembro também de alguns episódios que precederam minha menarca, que me deram alguns sinais de que iria menstruar logo. Um deles foi minha primeira visita ao ginecologista. Ele me examinou e disse que não demoraria muito até eu ter minha primeira menstruação. Outros são muito íntimos para eu compartilhar com vocês, mas enfim, todos me davam vislumbres de que tal momento estava próximo.

Ao perceber o vestígio de sangue, saí do banheiro e avisei para minha mãe e para minha irmã mais velha. E elas me disseram que eu deveria colocar um "modess" - nome que eu uso até hoje para denominar absorvente externo. Elas me deram um objeto retangular acolchoado, um tanto quanto grosso. Parecia que eu estava usando uma almofada no meio das pernas. Não gostei. Não gostei de menstruar. Não queria crescer, queria continuar brincando com as minhas bonecas, sem ter que usar aquela pseudo-fralda. Tirei e disse que iria usar um papel higiênico dobrado como forro. É claro que não deu certo e eu fui na farmácia com meu pai comprar um absorvente que tivesse mais haver comigo. Nenhum combinava!

Por anos eu brigava todo mês com meu período menstrual. Eu sangrava muito e por um tempo bem longo comparado a hoje. E eu sempre "vazava". Quantas vezes eu tive que sair de moletom amarrado na cintura, por que tinha sujado a calça na escola. Eu lembro que um dia eu levantei da cadeira e só vi a cadeira suja de sangue. Que saco! Pior do alguém ver um "modess" na tua mochila e ficar debochando, era alguém notar que a tua bunda estava quadrada porque tu estavas usando um. A época de colégio não foi fácil! Hoje em dia, como educadora ao relembrar, acho todas estas preocupações tão bobas. Afinal de contas, é uma coisa normal e que todos, independente do sexo e da faixa etária, devem respeitar e compreender.

Demorou muito tempo até eu descobrir a praticidade dos absorvente internos. Antes deles, já deixei de fazer muitas coisas e na falta deles, já passei algumas situações bem constrangedoras. Uma vez eu fui para a praia e deu o azar de eu ficar menstruada - isso sempre me acontece! Eu deveria ter uns 14 anos. Apesar de estar "naqueles dias" não deixei de colocar um maiô e ir para praia. Na hora de voltar para casa eu me perdi, não achava o caminho de volta para casa e decidi ir numa casa pedir informação. A dona da casa ficou mais preocupada com o meu estado, porque corria sangue perna abaixo e ela achou que além de estar perdida, eu  ainda estava ferida. Depois disso eu não repeti mais a dose e passei a frequentar a praia e a piscina apenas quando não estive mais "de vermelho".

Anos depois, ao experimentar os absorventes internos, foi como ter descoberto o ouro. O incômodo diminuiu uns 90%. A pílula também ajudou bastante pois além de deixar a minha pele com menos espinhas, diminuiu o meu fluxo, o que para mim já é mais um consolo para ter de passar por algo tão chato!

E então meus queridos amigos homens, agora espero que vocês compreendam porque ser mulher às vezes é tão complicado. Não é fácil passar por tanta chatice e manter sempre o bom humor. As vezes nós surtamos e nada mais compreensível que pelo menos uma vez por mês, vocês sejam mais condescendente conosco. Ou vocês gostariam de passar por tudo isso?

Sinceramente, eu pudesse seria um "período" que eu gostaria de pular.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Princesas na luta contra o câncer

Está circulando na internet uma imagem das princesas da Disney carecas. Não há precisão de data nem origem desta imagem que é uma justa homenagem a todas as mulheres que lutam contra o câncer e perdem seus cabelos -maior símbolo de vaidade feminina- como consequência do tratamento com quimio e radioterapia. Esta imagem simboliza a luta feminina de inúmeras mulheres a quem podemos chamar de verdadeiras princesas e guerreiras.

Meu blog é totalmente solidário às mulheres que bravamente combatem esta doença, que eu espero que neste ano, apresente numerosos avanços na medicina. 

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Para animar o dia

Adoro as músicas da cantora Colbie Cailat! Suas letras e melodias são tão divertidas e inocentes. Há várias delas que aprecio, como Midnight Bottle, Falling for You, Bubbly, Lucky e You got me. Mas se fosse eleger uma canção bem alto astral, escolheria esta daqui, que é para alegrar bem o dia!

Seize the day!




quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Pedras no Caminho

Posso até ter mil defeitos, viver ansiosa e me irritar algumas vezes, mas não esqueço de que a minha vida é a maior empresa do mundo. E que posso evitar que ela vá à falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história.
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um "não" e dizer "bem, pelo menou tentei." Viver é arriscar.
É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que esta seja injusta...

"Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo."
Fernando Pessoa

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Vermelho...

Assistam este vídeo de um programa policial que eu encontrei no Youtube. É engraçado, prestem atenção no momento que o repórter pergunta onde ele foi agredido. É de se matar rindo!

10 sinais de que ele não merece um segundo encontro

As 10 sugestões abaixo são do site The Stir. Confira:

1 - Não é generoso com gorjetas: se não dá gorjeta condizente com o serviço, pode ser um indício de egoísmo. Será que seria mesquinho em outras situações, inclusive com você?

2 - Chama os pais de "papai" e "mamãe": pode ser só um costume ou indicar uma relação infantil e de dependência. Preste atenção!

3 - É desrespeitoso com ex-namoradas ou ex-esposas: ninguém precisa ser amigo da ex, mas deve ao menos respeitá-la. Pessoas inteligentes aprendem com relacionamentos antigos.

4 - É rude com garçons: qualquer um que é rude com garçons ou atendentes pode ser assim com você também.

5 - Não lê livros: ler indica que o pretendente é intelectualmente curioso, um bom indício.

6 - Fuma: os malefícios do cigarro são amplamente divulgados. Quem fuma e, principalmente, não tem vontade de deixar o vício de lado, não se importa com a saúde.

7 - Não faz atividade física: cuidar da saúde e do corpo é fundamental.

8 - Despreza as mulheres: fique atenta a comentários desrespeitos sobre mulheres. Busque alguém que saiba valorizar a parceira.

9 - Não se interessa pelas notícias: um homem desatualizado fica para trás. As conversas tendem a não ser muito agradáveis.

10 - Não viajou ou não tem desejos: viajar é um indício de curiosidade intelectual. Quem vive sem sonhos e nem ao menos deseja conhecer novas culturas só mostra ser acomodado.